Tênis

Thiago Monteiro diz que escolha de quadra rápida na Davis foi consenso

0

Tentando a classificação para a fase final da Copa Davis, o Brasil acabou eliminado por 3 a 1 por uma desfalcada seleção belga. O palco da derrota foi uma quadra de saibro bem rápida, coberta, e em um ambiente fechado, fator esse que gerou alguns questionamentos por parte dos torcedores.

Thiago Monteiro, número um do Brasil, explicou a escolha desse tipo de palco, e citou os reflexos dessas condições dentro do jogo.

“Foi mais um consenso mesmo, até que ficou um pouco mais rápido do que a gente gostaria. (A bola) estava picando bastante, difícil de devolver…Nas duplas, os dois (belgas) sacaram muito bem. Para devolver, foi algo que custou mais para se adaptar. Meus dois jogos tiveram muitos ralis. Mas, meu adversário tirou bolas muito boas, jogou em um nível muito alto. Então, foi mais mérito deles para a vitória”, disse ao GloboEsporte.com.

Além disso, o tenista explicou que a escolha foi feita pensando também em dificultar o jogo dos rivais, pois um piso mais lento facilitaria o jogo dos belgas.

“A gente não queria jogar num lugar muito lento também para não ter um jogo com muito ritmo para eles. O (David) Goffin é um cara que gosta muito desse ritmo, um bom timing de bola. Aqui ele teria mais dificuldades…O (Ruben) Bemelmans, que também não veio, um cara que joga rápido também. A gente tentou evitar um pouco isso. As condições para mim não são ruins, já fiz bons resultados nessas condições, Rogerinho também, a dupla não gosta de jogar em condições muito lentas”, completou.

Fonte: Gazeta Esportiva

Comentários

Comentários

Escrever um comentário