Tênis

Quem é Kimmer Coppejans, carrasco do Brasil na Copa Davis?

0

Kimmer Coppejans foi o principal responsável pela eliminação do Brasil na Copa Davis de 2019 diante da Bélgica. O belga venceu seus dois jogos na série, o primeiro diante de Rogério Dutra, o Rogerinho, e o segundo contra Thiago Monteiro — esse último definiu a classificação da Bélgica em Uberlândia (MG).

A grande atuação de Coppejans foi um dos grandes momentos de sua carreira até o momento. O tenista de 24 anos, nascido na cidade de Oostende, não é um dos grandes nomes do tênis no país, como David Goffin (número 21 do Ranking da ATP), e tem pouca experiência no circuito da ATP.

Coppejans é o 195º melhor melhor tenista da atualidade segundo o ranking da ATP, o terceiro melhor belga atrás de Goffin e Ruben Bemelmans (132º). Sua melhor colocação na carreira foi o 97º lugar, atingido em junho de 2015. Naquele ano, ele ficou pouco menos de um mês entre os 100 melhores tenistas do mundo, sua única passagem no top 100.

Seus principais feitos na carreira também são modestos. Coppejans disputou apenas um Grand Slam na carreira: Roland Garros em 2015, sendo eliminado ainda na primeira rodada. Além disso, ele disputou torneios qualificatórios de todos os outros Grand Slams e ficou a uma vitória de disputar o Aberto da Austrália deste ano — na ocasião, o belga foi eliminado pelo italiano Stefano Travaglia na última fase do quali.

Mesmo com pouca experiência entre os principais nomes do tênis mundial, Coppejans tem sólida carreira nos torneios challenger, segundo escalão do tênis masculino. O belga soma 121 vitórias e 101 derrotas no circuito com cinco títulos no currículo, sendo o mais recente a Copa Sevilla, na Espanha, conquistado em setembro de 2018. Seu primeiro título foi no extinto Challenger de Meknes, no Marrocos, em setembro de 2014.

As participações de Coppejans em Copa Davis antes de 2019 não foram impecáveis como a deste ano. Em 2015, o belga fez sua estreia na competição com o pé direito: diante do Canadá, ele venceu seu jogo de simples e seu jogo de duplas, este ao lado de Ruben Bemelmans. Em 2016, no entanto, Coppejans não foi bem. Diante da Croácia, ele perdeu seus dois jogos (diante de Borna Coric e Marin Cilic) e a Bélgica foi eliminada por 3 a 2, praticamente o contrário do que aconteceu em 2019.

Fonte: Gazeta Esportiva

Comentários

Comentários

Escrever um comentário